quinta-feira, março 19, 2009

Quente (no coração)

Devia-me sentir em casa aqui?
Onde todos os dias me parecem diferentes
E a distancia do berço em que nasci
É simplesmente comprimento,
Há novos bancos onde me sento,
Com novas gentes…
Porque sei que um dia acaba o sal,
Um dia os nevões são só normais,
Talvez nesse dia fique sentimental,
Mas hoje quero mais,
Mais pedaços de mim que perdi no chão.
Hoje quero ilusão.

Hoje simplesmente apeteceu-me.

3 comentários:

Silent Raven disse...

Olha, olha! Afinal, de vez em quando actualizas o blog!

Agora falando a sério por um bocadinho... Já te tinha dito antes que gosto da forma como escreves e este poema tem... não sei bem o quê que me fez pensar... Sei lá, deve ser o efeito da distância...

Bem, e estou a deixar de fazer sentido por isso vou terminar por aqui.

Stay safe...
Carla

Bé disse...

ghost vou cortar os pulsos agora!!!
ja tenho a colher afiada!
beijinhos vemo.nos no ceu!

Ghost disse...

Gosto de ver o meu blog contribuir para a taxa de suicidio :)