domingo, outubro 05, 2008

De volta

Cabe na minha mão o que sinto,
Mas varre-me o corpo inteiro,
A alma, os sonhos, até o instinto,
O eu gente e o animal,
Toda a imagem, som e cheiro,
Tudo é dela.
O nada mais pequeno da coisa mais banal,
O sonho mais ousado e a noite mais carnal.
Até o aperto no coração.
E como é boa esta dor,
De roer a corda toda,
E aprender a amar melhor.

1 comentário:

Sofia disse...

Nao te conheço de lado nenhum, mas as tuas palavras encaixam verdadeiramente no que estou a sentir...
Estou com ele, mas sinto que a relaçao está cada vez mais fraca...a culpa é minha, ou entao estou a descobrir o que de verdade ele é e nao estou a gostar mto pk nao era esta a imagem que fiz dele...=/
Sei que o sentido que deste nao é este, mas para mim é a explicaçao perfeita para o que sinto neste momento...
Bjinhu